segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Não exija mudança no outro. Mude você!

→ Muitas vezes a gente deseja a mudança do outro, mas não enxergamos que também devemos mudar. É aquela velha história: quer mudar o mundo? Comece por você!Se a gente mudar o mundo à nossa volta, não mudaremos a nós mesmo e continuaremos na mesma situação, cometeremos inevitavelmente os mesmos erros...


Dê o primeiro passo...


Mude de rotina, conheça novas pessoas. Reflita sobre quem é você realmente, nada de beleza exterior, pense apenas naquilo que você tem por dentro... Sentimentos: mágoas, amores, dores, felicidades, emoções, tristezas, ódio. (...) Mude você!


Mas comece devagar, porque a direção é mais importante que a velocidade. Sente-se em outra cadeira, no outro lado da mesa. Mais tarde, mude de mesa. Quando sair, procure andar pelo outro lado da rua. Depois, mude de caminho, ande por outras ruas, calmamente, observando com atenção os lugares por onde você passa.


Tome outros ônibus. Ande na chuva. Mude por uns tempos o estilo das roupas. Dê os teus sapatos velhos. Procure andar descalço alguns dias. Tire uma tarde inteira pra passear livremente na praia, ou no parque, e ouvir o canto dos passarinhos. Veja o mundo de outras perspectivas. Abra e feche as gavetas e portas com a mão esquerda. Durma do outro lado da cama... depois, procure dormir em outras camas.


Assista a outros programas de TV, compre outros jornais... leia outros livros. Viva outros romances. Não faça do hábito um estilo de vida. Ame a novidade. Durma mais tarde. Durma mais cedo. Aprenda uma palavra nova por dia numa outra língua. Corrija a postura.


Coma um pouco menos, escolha comidas diferentes, novos temperos, novas cores, novas delícias.Tente o novo todo dia, o novo lado, o novo método, o novo sabor, o novo jeito, o novo prazer, o novo amor, a nova vida. Tente.


Busque novos amigos. Tente novos amores. Faça novas relações.Almoce em outros locais, vá a outros restaurantes, tome outro tipo de bebida, compre pão em outra padaria. Almoce mais cedo, jante mais tarde ou vice-versa.


Escolha outro mercado... outra marca de sabonete, outro creme dental... tome banho em novos horários. Use canetas de outras cores Vá passear em outros lugares. Ame muito, cada vez mais, de modos diferentes.


Troque de bolsa, de carteira, de malas, troque de carro, compre novos óculos, escrevas outras poesias. Jogue fora os velhos relógios, quebre delicadamente esses horrorosos despertadores. Abra conta em outro banco. Vá a outros cinemas, outros cabeleireiros, outros teatros, visite novos museus. Mude.


Lembre-se que a vida é uma só. E pense seriamente em arrumar um novo emprego, uma nova ocupação, um trabalho mais light, mais prazeroso, mais digno, mais humano. Se você não encontrar razões para ser livre, invente-as. Seja criativo.


E aproveite para fazer uma viagem despretensiosa, longa, se possível sem destino.Experimente coisas novas. Troque novamente. Mude, de novo. Experimente outra vez. Você certamente conhecerá coisas melhores e coisas piores do que as já conhecidas. Mas não é isso o que importa. O mais importante é a mudança, o movimento, o dinamismo, a energia. Só o que está morto não muda!"


Só não mude a sua natureza... O seu jeito de ser. Alguns perseguem a felicidade outros criam-na, preocupe-se mais com sua consciência do que com sua reputação.


Porque a sua consciência é o que você é e sua reputação é o que os outros pensam de si.E o que os outros pensam de si é problema deles“.


(Px-naoqueiramudarninguemmudevcprimeiro) Fonte: Recebido por e- mail


3 comentários:

Edson Marques disse...

Agradeço por citar meu poema Mude, que está (inteirinho) dentro do teu post.

Mas, por isso mesmo, está desvirtuado, de certo modo. Ou de modo errado.

Espero que você conheça o poema, o vídeo, o livro, o comercial da Fiat (feito com ele), e a gravação da Simone Spoladore, no CD Filtro Solar, do Pedro Bial, etc.


Gostaria de saber quem te mandou tal e-mail, por favor.

Abraços, flores, estrelas..

Detalhes em www.mude.blogspot.com

Daniela Machado disse...

Estava num momento de me libertar, e sempre tive o problema de nunca entenderem o que eu sinto.....roubei essas palavras para gritar no meu mundo, agradeço cada vírgula e verbo.....muito muito mesmo

Daniela Machado disse...

Não se afobe, não
Que nada é pra já
O amor não tem pressa
Ele pode esperar em silêncio
Num fundo de armário
Na posta-restante
Milênios, milênios
No ar
E quem sabe, então
O Rio será
Alguma cidade submersa
Os escafandristas virão
Explorar sua casa
Seu quarto, suas coisas
Sua alma, desvãos
Sábios em vão
Tentarão decifrar
O eco de antigas palavras
Fragmentos de cartas, poemas
Mentiras, retratos
Vestígios de estranha civilização
Não se afobe, não
Que nada é pra já
Amores serão sempre amáveis
Futuros amantes, quiçá
Se amarão sem saber
Com o amor que eu um dia
Deixei pra você